Carregando

Escreva para pesquisar

Storytelling e Storydoing: qual a diferença?

Filipe Olmos 1 ano atrás
Share

Storytelling já é um termo conhecido quando se fala em estratégias de marketing e conteúdo, mas ainda assim existem dúvidas sobre sua aplicação.

De forma bem resumida, podemos definir storytelling no mundo dos negócios como a arte de contar histórias para atrair e engajar clientes, funcionários ou um determinado público de interesse.

Um outro termo começou a ser utilizado recentemente é storydoing, que pode ser resumido como a experiência sentida ao se viver uma história.

Pode-se dizer que essas duas estratégias de marketing estão entre as mais utilizadas pelas empresas para criar uma comunicação consistente, com conteúdo bem construído.

Histórias são muito poderosas, por isso são uma estratégia de marketing tão eficiente.

Estudos mostram o profundo impacto que as narrativas têm sobre o nosso cérebro: elas nos envolvem emocionalmente, ajudam a construir confiança e até mesmo a inspirar ações.

De fato, mais da metade dos consumidores de uma empresa são mais propensos a comprar quando veem valor pessoal em um produto, comportamento esse que é mais facilmente estimulado por meio dessas histórias.

Se as duas técnicas contam histórias, como elas se diferenciam? Entenda como storytelling e storydoing se relacionam e como você pode usá-las no seu negócio. Continue lendo!

Storydoing x Storytelling qual a diferença?

Tanto storydoing quanto storytelling contam uma história. As duas estratégias de marketing fazem uso de narrativas criativas e emocionantes para chamar a atenção do público.

Com storytelling tendo como público-alvo clientes de uma empresa, por exemplo, a história é construída para alcançar um objetivo principal: a venda de um produto ou serviço. Nessa técnica a narrativa é criada durante a campanha de lançamento de um produto e visa, principalmente, divulgá-lo.

Os responsáveis pelo desenvolvimento de storytelling estipulam o que deverá ser oferecido ao público e, a partir daí, criam uma narrativa publicitária para gerar interesse.

Já com storydoing a história não é criada para o lançamento de um produto, ao contrário, o desenvolvimento da própria marca se inicia a partir de uma história. Ou seja, o storydoing não é somente uma estratégia de marketing – ele representa o propósito de uma empresa.

Para ser eficiente, o storydoing não pode ter objetivos unicamente comerciais, mas deve representar a mensagem que a marca deseja passar para o seu público. Todos os setores da empresa, do marketing ao departamento de vendas, devem participar desse processo da criação.

Storydoing pode ser entendido como uma história que é contada por meio de ações e não de palavras e que transmite uma mensagem ao público, mensagem essa que vai além de um produto específico.

Ainda usando o exemplo de um público-alvo de clientes, podemos dizer que enquanto storytelling conta boas histórias visando o lançamento de um produto ou serviço, o storydoing constrói narrativas que transmitem ao público os valores do negócio.

Como storytelling funciona?

Estratégias de storydoing e de storytelling são complementares e se tornam ainda mais eficientes quando utilizadas na mesma estratégia de marketing.

Digamos, por exemplo, que uma empresa socialmente responsável destine uma parte das vendas a uma entidade que apoia crianças carentes (storytelling).

Suponhamos ainda que, além disso, essa empresa promova ações sociais destinadas a arrecadar dinheiro para entidades sociais e permita que os interessados tenham acesso ao resultado das doações (storydoing). Das duas estratégias, qual atingiria melhores resultados?

Provavelmente, o storydoing atingiria um número maior de pessoas e trará melhores resultados para a imagem da empresa.

Podemos citar outro exemplo: a estratégia da companhia aérea JetBlue, criada para mudar a experiência pouco acolhedora que os passageiros vivenciavam ao voar com as principais companhias aéreas americanas com tarifas econômicas, chamadas de “low cost”. A missão declarada da empresa é “trazer a humanidade de volta às companhias aéreas” (storytelling).

Isso não foi conseguido apenas com os slogans que exibiam “voar por céus amigáveis”, mas por meio de um serviço melhor. Assentos de couro para todos. TV por satélite para todos. Lanches gratuitos para todos (storydoing).

Mudar da narração de histórias para a criação de histórias tornou a empresa mais eficiente e mais acolhedora para seus clientes, investidores e colaboradores.

Como as duas estratégias se complementam?

Storydoing e storytelling são ferramentas capazes de impactar  o público ligado a sua empresa, direta ou indiretamente.

Além disso, a combinação das duas técnicas é capaz de gerar impacto positivo na decisão de compra dos clientes, uma vez que uma história contada e praticada pela empresa cria vínculos com os consumidores, podendo mudar o comportamento deles.

Pense no seguinte exemplo: com qual empresa você se identifica mais? Com uma empresa que se diz socialmente responsável ou com uma empresa que investe no bem-estar social da comunidade na qual está inserida? De qual delas você estaria mais inclinado a comprar?

O objetivo de unir storytelling e storydoing é menos sobre a criação de campanhas de publicidade e mais sobre a criação de experiências das quais as pessoas possam participar e compartilhar umas com as outras.

É tudo sobre conhecer a história da sua marca – o que fará com que os clientes ganhem confiança na sua história e, portanto, nos seus produtos ou serviços.

Todos desejamos contar histórias: queremos dizer ao mundo quem somos, que roupas vestimos, quais carros dirigimos, quais produtos compramos e – é claro – as coisas que fazemos. Uma empresa não é diferente: para ser bem sucedida, uma marca deve contar uma história por meio das suas ações.

As organizações podem usar storytelling para engajar o público e torná-lo fiel. Mas contar boas histórias não basta, é preciso vivenciá-las. O storydoing permite mostrar a missão e os valores da marca para o seu público na prática, criando real identificação.

Agora que você já conhece algumas das diferenças entre storytelling e storydoing que tal conhecer as 7 principais estratégias de marketing digital?

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios*